A AMAL, através do seu Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal, promoveu um Curso de Fogo Controlado organizado. As aulas práticas, inviabilizadas até agora pelo decreto do governo que proibia a formação presencial, tiveram início a 19 de abril, no Regime Florestal de Conceição de Tavira, no dia seguinte no concelho de Loulé e hoje em Monchique.

Esta formação visa dar aos 21 formandos, pertencentes a vários municípios algarvios, a credenciação em Fogo Controlado, uma técnica que obriga a conhecimentos profundos do uso do fogo no ecossistema, que não se pode aplicar indiscriminadamente e que só está autorizada a quem for reconhecida essa competência.

As aulas práticas têm contado com a presença de elementos do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas) e com a colaboração da GNR/Unidade de Emergência de Proteção e Socorro (GNR UEPS - Unidade de Emergência de Proteção e Socorro ). No primeiro e segundo dia contaram, também, com a ajuda dos Bombeiros Municipais de Tavira ( Corpo de Bombeiros Municipais de Tavira) e do Serviço Municipal de Proteção Civil de Loulé (Proteção Civil - Loulé - SMPC).

Refira-se, a propósito, que as técnicas habituais de manutenção das redes de gestão de combustíveis têm um custo elevado o que condiciona a sua execução. Já o fogo controlado tem uma relação custo benefício mais vantajosa e menos onerosa. Sobre ele, pode ler-se o seguinte no estudo “Racionalizar a gestão de combustíveis: uma síntese do conhecimento atual”, de dezembro de 2019, desenvolvido pelo Observatório Técnico Independente (OTI): “Defender efetivamente a floresta dos incêndios implica algum grau de redundância nos esforços de gestão do combustível, ou seja, sobreposição de faixas a fim de bloquear ou desviar a propagação do fogo independentemente da sua orientação, e (ou) ocupação por mosaicos definidos pelo tipo de uso do solo, composição florestal e carga de combustível. O fogo controlado tem um papel fundamental neste processo, o que foi reconhecido ao ponto de merecer a elaboração de um plano nacional dedicado”.

 

Iniciativas vão suportar elaboração de documento “Cultura Algarve Horizonte 2030”, que vai definir as linhas orientadoras para a cultura, artes e património nos próximos anos. 

A AMAL, em parceria com a Faro2027 – Candidatura de Faro a Capital Europeia da Cultura, a Direção Regional de Cultura do Algarve e a Universidade do Algarve promove, nas próximas semanas, um conjunto de iniciativas para discutir temas específicos ligados à cultura. São, ao todo, 6 ações online, entre Talks e WorldCafés, nas quais se procura um debate vivo sobre diferentes visões para o futuro da cultura, com vista à valorização do setor e da própria região.

A primeira dessas iniciativas acontece já no dia 21 de abril, às 10h30, via streaming, e pode ser acompanhada através do Facebook da Faro2027 – Candidatura de Faro a Capital Europeia da Cultura (Facebook@Faro2027). O tema da Talk#1 é “Conexão Cultura e Inovação” e tem 3 oradores convidados: Marta Martins, Diretora Executiva da Artemrede; Nancy Duxbury, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Membro da European Expert Network on Culture e Jordi Pardo, Director da Fundação Pau Casals e Presidente do Cercle de Cultura de Madrid. O debate, que procura ser uma reflexão sobre o modo como a cultura pode ser motor para a inovação dos territórios numa fase de resiliência e de recuperação económica, vai ser moderado por Adriana Nogueira, Diretora Regional da Direção Regional de Cultura do Algarve.

As ações vão estender-se até meados de maio, permitindo que os contributos dos participantes possam ser integrados no documento “Cultura Algarve Horizonte 2030”, que deverá estar concluído até ao final do verão. O documento vai servir para orientar os municípios e as entidades regionais, enquadrando as políticas públicas, com vista à obtenção de financiamento comunitário no próximo Quadro Financeiro Plurianual (2021 – 2027). Para cumprir esse objetivo, “Cultura Algarve Horizonte 2030”, deve assentar em 3 eixos:
- Promoção de uma visão prospetiva para a cultura na região;
- Desenvolvimento das linhas orientadoras para a cultura, artes e património nos próximos anos para a Região do Algarve;
- Criação de valor sustentado associado à cultura na região.

 

Iniciativa é pioneira e dá um sinal claro de apoio ao ensino e à saúde da região

O contrato que a materializa tem como objeto a concretização, reforço e alargamento do ensino da Medicina na Universidade do Algarve, através do ciclo de estudos do mestrado integrado em Medicina. Será assinado pela AMAL, Universidade do Algarve, Associação para o Desenvolvimento do Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve (AD-ABC) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (através da Direção Geral do Ensino Superior). A decisão foi tomada na reunião de abril do Conselho Intermunicipal.

O acordo terá o seu término a 31 de dezembro de 2025 e prevê que, a cada ano letivo, o número de inscrições no mestrado aumente progressivamente, sendo que no quinto e último ano o número de matrículas não deverá ser inferior a 96 alunos (atualmente são 64).

A AMAL considera decisivo o investimento em todas as componentes da área da saúde na região do Algarve, designadamente equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, respostas de serviços de saúde e formação superior e pós-graduada na área da saúde. Por essa razão, respondeu afirmativamente ao repto lançado pela Universidade e decidiu contribuir com 600 mil euros para que o aumento de vagas seja uma realidade já este ano. 

Conscientes de que o financiamento desta medida competiria à Administração Central, os Presidentes de Câmara do Algarve, que partilham uma visão regional e preocupações de coesão territorial, decidiram, ainda assim, unir esforços e colaborar financeiramente. Fazem-no como sinal de boa vontade, e por entenderem que o aumento da oferta formativa, especialmente nesta área, contribuirá para um bem público inquestionável do qual toda a região beneficiará.
A unanimidade na decisão foi aprovada para este primeiro ano, sendo que, nos quatro anos subsequentes, será solicitado à Administração Central, através do Ministério da Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, para que assuma esta que é, efectivamente, uma responsabilidade sua.

O contrato já prevê, neste primeiro ano, algumas contrapartidas para os municípios, nomeadamente a criação e desenvolvimento de projetos, por parte do ABC (Algarve Biomedical Center), em articulação com a Administração Regional de Saúde do Algarve, que possam melhorar a qualidade dos cuidados de saúde prestados na região, bem como captação e fixação de profissionais de saúde no Algarve.

 “Há ventos que vêm por bem” é o mote para uma BEZARANHA, que vai invadir o Algarve nos próximos meses. A partir de 18 de abril e até ao final do ano, mais de 200 iniciativas culturais vão animar a região, com mais de 30 itinerâncias previstas entre municípios.

A programação abrange um conjunto de iniciativas e eventos culturais que vão chegar a todos os concelhos algarvios, contribuindo, desta forma, para apoiar os artistas locais de cada município. Prevê-se que o projeto vá apoiar cerca de 700 artistas e outros profissionais ligados à área da cultura.
É a primeira vez que um modelo de programação cultural em rede junta a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), os 16 municípios e a Direção Regional de Cultura para concretizar um projeto conjunto na área da cultura. O projeto Algarve-Programação Cultural em Rede, agora BEZARANHA, foi ontem apresentado
(Bezaranha é uma expressão popular que significa vendaval, ventania, rajada de vento e é exatamente isto que se pretende com este projeto: uma ventania cultural que possa trazer algum ânimo ao sector cultural da região).

António Pina, Presidente da AMAL, começou a sessão de apresentação a brincar com a originalidade do nome do projeto, referindo-se depois à sua importância no contexto atual: “em primeiro lugar porque é urgente apoiar o sector da cultura, e depois pela importância de termos, pela primeira vez, uma rede com toda esta abrangência. São 18 parceiros que conseguiram pôr de pé uma programação que vai atravessar todos os municípios do Algarve. E isso é um passo muito importante”. Agradecendo o apoio dos colegas autarcas, da Direção Regional de Cultura e da CCDR Algarve, António Pina deixou um desafio a José Apolinário, para que “esta seja apenas uma primeira candidatura. E que deixe marcas! Desejamos que o próximo Programa Operacional traga mais dinheiro para podermos apoiar o sector cultural da nossa região”.

Também a Diretora Regional de Cultura do Algarve defendeu que esta candidatura se reveste de grande importância para a região e para o sector cultural. Adriana Nogueira realçou o facto de que o aliar o acolhimento de iniciativas aos monumentos do Algarve, que têm tido grande procura, “pode também ajudar na dinamização de iniciativas culturais que aí possam acontecer. Tenho a certeza de que este será um projeto desafiante e que possa trazer muita Bezaranha à região”.

Pedro Bartilloti, Coordenador Cultural deste projeto, apresentou os pilares em que assentou a construção da programação: apoiar os artistas locais; potenciar o Património Natural e edificado (monumentos, locais históricos e emblemáticos) da região; realizar pelo menos 60% dos eventos ao ar livre e realizar itinerâncias entre Municípios. Destacou ainda alguns eventos agendados em cada município do Algarve, sublinhando a diversidade de áreas artísticas abarcadas, da música ao teatro, da dança às artes de rua, do cinema às artes visuais. 

Coube a José Apolinário, Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e Gestor do PO CRESC 2020, encerrar a sessão, momento em que realçou “o caracter pioneiro desta iniciativa, tanto pelo trabalho em prol do desenvolvimento regional como pelo uso dos fundos comunitários. É verdade que esta tem sido uma postura constante dos municípios, mas ganha projeção quando falamos de uma posição conjunta”. 

“Os ventos que vêm por bem” chegam ao Algarve já este domingo, 18 de abril, com o teatro musical “Uma viagem musical”, no Município de Portimão, um espetáculo que passará na página de Facebook da BEZARANHA. Aliás, todas as “rajadas de vento” podem ser acompanhada nas redes sociais do projeto e em www.bezaranha.pt.

A partir de 18 de abril e até dezembro, é sentir esta ventania nas ruas, nos monumentos e nas salas de espetáculo de todo o Algarve!

 

O projeto Algarve - Programação Cultural em Rede resulta de uma candidatura que a AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve submeteu, no âmbito do Programa Operacional Regional do Algarve (CRESC Algarve 2020), aprovada a 30 de dezembro de 2020. O investimento total do projeto é de 800 mil euros, financiado pelo PO CRESC ALGARVE 2020 e pelo FEDER- Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

 

“Cultura Algarve 2030 – Aspirações e visões de futuro” vai ser o título do estudo, que resulta de uma colaboração entre a AMAL - Comunidade Intermunicipal do Algarve e o CIAC - Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve. O documento deve ficar concluído até ao final do verão deste ano.

É um trabalho de auscultação do território (municípios, agentes culturais e outras entidades e organizações relevantes neste contexto) que vai permitir agregar aspirações e visões de futuro e congregá-las em grandes visões para a cultura no Algarve na próxima década. Durante os próximos meses, a AMAL, em estreita parceria com a Faro 2027 – Candidatura de Faro a Capital Europeia da Cultura, a Direção Regional de Cultura do Algarve e a Universidade do Algarve, vai promover algumas iniciativas, como conferências e sessões de debate abertas ao público, que permitam discutir temáticas específicas ligadas a esta área.

Um documento como aquele que se pretende contruir não só se assume como linha orientadora, ainda que genérica, para os municípios e entidades regionais, como pode, e deve, ser um contributo importante para o enquadramento de políticas públicas com vista a obtenção de financiamento comunitário no próximo Quadro Financeiro Plurianual (2021 – 2027).

O resultado final do trabalho deve contemplar os seguintes aspetos da produção cultural na região:
O Passado - as culturas que conformam a cultura do Algarve
O Presente - análise dos dados e prognóstico da atual situação
O Futuro - prospectivas e ideias para a viabilização de projetos e apontamentos para o futuro da cultura na região.

No fundo, o que se pretende é que deixe importantes contributos para:
1. O desenvolvimento das linhas orientadoras para a cultura, artes e património nos próximos anos para a Região do Algarve
2. A promoção de uma visão prospectiva para a cultura na região
3. A definição dos princípios orientadores para uma visão de futuro da cultura como oportunidade de desenvolvimento
4. A criação de valor sustentado associado à cultura na região.

No próximo dia 9 de abril, o Conselho Intermunicipal reúne, a partir das 10h00, por videoconferência.
Conheça os assuntos que serão tratados.


ORDEM de TRABALHOS:
1. Autoridade de Transportes - Atos de imposição de serviços essenciais de transporte público rodoviário:
1.1. Valor de remuneração veículo km;
1.2. Ato - EVA-Transportes, SA;
1.3. Ato - Frota Azul – Transportes e Turismo, Lda.
2. Universidade do Algarve - Novas vagas para o curso de medicina – Comparticipação dos Municípios;
3. Estratégia de Desenvolvimento Cultural dos Municípios do Algarve – Repartição dos custos - Atualização;
4. EuroVelo na região do Algarve – Proposta de normalização de sinalética da Ecovia;
5. BIBAL – Proposta de rotatividade de pagamento de despesas;
6. Revisão dos Planos de Ordenamento do Território;
7.Estabelecimento Prisional de Silves – Pedido de apoio;
8. Informações e outros assuntos de interesse para os Municípios.


Faro, 5 de abril de 2021.

 

A Comunidade Intermunicipal do Algarve – AMAL vai assinar um Protocolo de Colaboração, com outras 21 entidades regionais e nacionais, para assegurar a gestão concertada da Rota da Costa Atlântica – EuroVelo 1.
A decisão foi tomada, por unanimidade, em reunião extraordinária do Conselho Intermunicipal, que decorreu no passado dia 31 de março. O objetivo é dar resposta às necessidades de gestão, valorização e promoção de uma das rotas âncora do Portuguese Trails, que atravessa o território nacional ao longo da costa continental, sendo, por isso, parte da rede europeia EuroVelo e um itinerário incontornável para o posicionamento internacional de Portugal como um destino de Cycling.

Através deste protocolo cabe à AMAL, em articulação com os municípios que a integram, empenhar-se no acompanhamento da gestão da Rota, em termos da sua manutenção e monitorização, visando a segurança dos utilizadores, bem como a colaboração em iniciativas que valorizem a oferta de Cycling nos territórios, no âmbito do Portuguese Trails. Recorde-se que o projeto Portuguese Trails, lançado em 2017 pelo Turismo de Portugal, no âmbito da Estratégia de Turismo 2027, visa posicionar Portugal como um destino internacional de Cycling e Walking, numa lógica de diversificação da oferta, incremento de fluxos turísticos em todo o território nacional ao longo do ano e captação de novos mercados internacionais. Recorde-se, igualmente a propósito, que a AMAL, em parceria com a Região de Turismo do Algarve, integraram o projeto de cooperação europeia Atlantic On Bike de 2017 a 2020, do qual faziam parte entidades dos 6 países percorridos pela Rota EuroVelo1, sendo os únicos representantes de Portugal.

Entre as várias entidades regionais e nacionais envolvidas no Protocolo estão outras Comunidades Intermunicipais; Regiões de Turismo; Turismo de Portugal, IP; Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores da Bicicleta; Infraestruturas de Portugal; Associações de Turismo; e Associações Regionais de Promoção Turística. 

De referir que o Turismo de Portugal e a Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), levam a cabo nos próximos dias 14 e 15 de abril, o 1º Encontro de Parceiros da Rota da Costa Atlântica – Eurovelo 1, em formato online, onde se destacará a assinatura deste Protocolo de Colaboração. O webinar aborda várias temáticas com oradores convidados e conta também com a presença de Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal e de Rita Marques, Secretária de Estado do Turismo. O webinar é de participação aberta a todos os interessados através do link que consta no Programa (consultar AQUI).

 

 

No próximo dia 31 de março, o Conselho Intermunicipal reúne, a partir das 16h00, por videoconferência.
Conheça os assuntos que serão tratados.


Ordem de trabalhos 
1. Autoridade de Transportes - Atos de imposição de serviços essenciais de transporte público  rodoviário:
1.1. Ato - EVA-Transportes, SA;
1.2. Ato - Frota Azul – Transportes e Turismo, Lda.
2. Nomeação dos presidentes das comissões de cogestão e suplentes
3. EuroVelo 1 – Protocolo;
4. Universidade do Algarve
4.1. Novas vagas para o curso de medicina – Contrato Programa;
4.2. Ventiladores – Ponto de situação.
5. Informações e outros assuntos de interesse para os Municípios. 

Faro, 24 de março de 2021.  

 

No dia em que se assinalou o Dia Mundial da Água, 22 de março, foi lançada a 1ª edição do Concurso “Eficiência Hídrica na Escola”. Uma iniciativa inédita que visa distinguir os melhores projetos das escolas do Algarve com boas práticas ao nível da Eficiência Hídrica. A iniciativa resulta de uma parceria entre a APA-Agência Portuguesa do Ambiente, a ADENE - Agência para a Energia, a AMAL- Comunidade Intermunicipal do Algarve, a empresa Águas do Algarve, a Universidade do Algarve e a DGESTE - DSR Algarve.

No próximo dia 12 de março, o Conselho Intermunicipal reúne, a partir das 09h30, por videoconferência.
Conheça os assuntos que serão tratados.

Ordem de trabalhos:

1.Plano de Recuperação do Algarve / Universidade do Algarve;
2.Indicação dos representantes dos Municípios nas empresas: Águas do Algarve;
3.Fórmula 1 - Algarve;
4. Informações e outros assuntos de interesse para os Municípios.

Faro, 8 de março de 2021.

 

A Comunidade Intermunicipal do Algarve – AMAL é uma das 12 entidades portuguesas selecionadas para participar no projeto “Inova Juntos – Cooperação Urbana Triangular para Inovação e Sustentabilidade”. É a única CIM do país que irá integrar esta iniciativa.

A Comunidade Intermunicipal do Algarve - AMAL, no âmbito da consulta pública, submeteu hoje os seus contributos, agregando a posição dos 16 municípios da região, para o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). O Hospital Central Universitário do Algarve, o apoio à capitalização das empresas, a Habitação e o Cluster do Mar destacam-se nas prioridades avançadas pela AMAL.

A AMAL, Comunidade intermunicipal do Algarve, vai participar num webinar sobre o novo fundo de recuperação para a Europa (Next Generation EU) e a sua aplicação em projetos para a prevenção e extinção de incêndios florestais aplicada à Eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia. O evento, organizado pela Fundação Finnova no âmbito do projecto CILIFO – Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais, decorre já no próximo dia 17 de fevereiro, a partir das 10h00, e tem como principal objetivo dar a conhecer este novo fundo e todos os detalhes desta nova ferramenta de financiamento europeu.

A AMAL vai participar nesta iniciativa, tanto na qualidade de parceira deste projecto de cooperação transfronteiriça, como também fazendo parte do programa. O técnico Pedro Chaves, responsável pelo Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal, representante da AMAL neste evento, dará a conhecer a Formação que tem sido promovida por esta Comunidade Intermunicipal, bem como as que estão previstas acontecer, no âmbito do Projeto CILIFO.

Programa do Webinar AQUI
+ INFO sobre o evento AQUI


Informação complementar:
Recorde-se que o CILIFO é um projeto de cooperação transfronteiriça que dispõe de 24,6 milhões de euros de investimento, financiados pela União Europeia em 75% através do fundo FEDER, e um período de execução de, inicialmente, três anos (2019-2021), agora prorrogado até 2022, devido à pandemia.
No âmbito do projeto CILIFO está a ser trabalhada, na Eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia, a celebração de protocolos e procedimentos conjuntos com o objetivo de se alcançar uma execução mais eficaz na área da prevenção e extinção de incêndios florestais.
O CILIFO, aprovado pelo programa Interreg POCTEP (2014-2020) Espanha-Portugal, enquadra-se no Objetivo Temático 5 do programa, que promove a adaptação às alterações climáticas.

+ INFO sobre o CILIFO: https://cilifo.eu